Carnaval: origens, conseqüências e o caminho excelente

Voltar

Aconteceu04-01

Quando o mês de fevereiro é mencionado certamente vem à mente da maioria dos brasileiros o carnaval. Realizado anualmente durante quatro dias deste mês, a maior festa popular do Brasil é um ícone da nossa cultura e já assumiu notoriedade mundial.

O que talvez não seja do conhecimento de todos é que a origem do carnaval remonta à Antiguidade. Os babilônicos e os egípcios, por exemplo, saíam pelas ruas comemorando e homenageando aos deuses pela colheita. Perto do século V a.C os gregos tinham festividades semelhantes onde se dedicavam às bebedeiras e orgias em exaltação a Dionísio, o deus do vinho.

Os romanos seguiram com a tradição pagã e por volta do século X a Igreja Católica a incorporou com o objetivo de reduzir os excessos. Naquele momento foi criada a Semana Santa que deveria ser antecedida pela Quaresma, um período de jejum de quarenta dias. Dessa forma, no carnaval as pessoas poderiam se fartar com comidas e bebidas antes do jejum prolongado que teria início na Quarta-Feira de Cinzas, onde haveria arrependimento. Por isso, a maioria dos historiadores concorda que a palavra carnaval vem do latim e significa “adeus à carne” ou “retirar a carne”.

Na prática, os excessos carnais passaram a ser ainda maiores, uma vez que as pessoas sabiam que depois viria o longo período de abstenção. E o que era pra ser uma “despedida da carne” tornou-se uma dedicação ainda maior aos prazeres.

Durante o período do Renascimento foram incluídos os bailes de máscaras, as fantasias, e os carros alegóricos. Foi nesta época que os portugueses trouxeram o carnaval para o Brasil. Por aqui apareceram os primeiros blocos, os cordões e os corsos. No início do século XX surgiram as marchinhas e o samba. Só nas últimas décadas começaram os desfiles das escolas de samba no Rio de Janeiro e de trios elétricos na Bahia.

Apesar de proporcionar turismo e diversão, o carnaval também produz diversas consequências danosas à sociedade. Neste período aumenta o número de acidentes, o consumo de bebidas alcoólicas e de drogas, a violência, a prostituição, a proliferação de doenças sexualmente transmissíveis e os casos de gravidez indesejada. Tais circunstâncias advêm do descontrole que ocorre nesses dias. Os comportamentos pecaminosos são incitados por meio de propagandas e músicas apelativas. Os padrões morais são afrouxados e, quando não, esquecidos completamente.

Toda essa situação nefasta está de acordo com o histórico profano do carnaval, porém é completamente contrária à Palavra de Deus. No carnaval as pessoas maximizam os desejos carnais e se deixam levar por eles. Entretanto, a Bíblia diz em Gálatas 5.16: “Andais no Espírito, e não cumprireis as concupiscências da carne”. E o versículo 17 cita algumas das obras da carne como a bebedeira, glutonaria, fornicação, adultério, lascívia e idolatria. Tudo isto é praticado intensamente no carnaval. Romanos 8.6-8 diz: “Porque a inclinação da carne é morte; mas a inclinação do Espírito é vida e paz. Porquanto a inclinação da carne é inimizade contra Deus […]. Portanto, os que estão na carne não podem agradar a Deus.”

Dessa forma, é evidente que o verdadeiro cristão não deve participar deste tipo de festividade, pois a vontade do Senhor é que vivamos em santidade. Em Romanos 12.1 o apóstolo Paulo nos roga a apresentar os nossos corpos “como um sacrifício vivo, santo e agradável a Deus”. E logo no versículo seguinte, ele diz que não devemos nos conformar com este mundo, portanto, não devemos participar de eventos mundanos. Em Gálatas 5:24 está escrito que: “os que são de Cristo crucificaram a carne com as suas paixões e concupiscências”. E o texto de 1 Coríntios 3.16 nos diz algo ainda mais profundo: “Não sabeis vós que sois o templo de Deus e que o Espírito de Deus habita em vós?”.

Nós não precisamos da alegria passageira que o mundo oferece, pois em Cristo temos a alegria verdadeira e eterna. Devemos, utilizar os dias do carnaval para praticar aquilo que agrada a Deus e nos edifica. É oportuno aproveitar o feriado para orar, ler a Bíblia, se consagrar, visitar, estudar e até mesmo descansar da rotina cansativa. A Igreja Assembléia de Deus tradicionalmente realiza retiros onde há cultos, estudos, comunhão e lazer sadio. Outra ação importante é a evangelização para alcançar as almas que estão se perdendo. Com tais atitudes, ao invés de darmos lugar ao pecado, estaremos nos aproximando de Deus e ajudando a transformar um período tão sombrio em um momento de abundante graça e paz.

 André Falcão

AD Cidade - Todos os direitos reservados @ 2018 - Site desenvolvido por Leme Digital