Estátuas derrubadas na Ucrânia

Voltar

Aconteceu15-01

Estátuas de Lenin foram derrubadas no dia 17 de abril, em algumas cidades da região leste da Ucrânia.

Na cidade de Kramatork, o evento aconteceu durante um grande comício pró-ucraniano e foi transmitido ao vivo pela televisão local. Na ocasião, um guindaste derrubou o monumento sob os aplausos de milhares de pessoas.

Em Kharkiv, outras duas estátuas dedicadas ao antigo líder russo foram demolidas por manifestantes encapuzados que puseram o vídeo no Youtube.

Vladimir Lenin foi um dos maiores líderes da Revolução Russa de 1917 e se tornou o governante da nação quando foi criada a União Soviética em 1922. A União Soviética foi um estado socialista formado por vários países do Leste Europeu e da Ásia, sob a hegemonia russa. A história do Estado Soviético ficou marcada pela tentativa forçada de implantação do regime comunista. Como consequência dessa política hegemônica, houve várias guerras, genocídios e perseguições.

A destruição das estátuas vem ocorrendo na Ucrânia desde 2013 quando foram deflagrados os protestos que provocaram a derrubada do presidente do país. A contenda começou quando o presidente ucraniano, em vez de celebrar um acordo de aproximação com a União Europeia, aderiu a um acordo de aproximação com a Rússia.

Durante quase todo o século XX a Ucrânia fez parte da União Soviética, até sua independência em 1991. Desde então, o país passou a estreitar os laços com o ocidente, em especial a Europa. Porém, há dois pensamentos antagônicos no país. De um lado está a parte ocidental do país, onde vivem as gerações mais jovens, que são favoráveis a uma aproximação com a União Europeia. Do outro lado, está a parte oriental e sul, mais próxima geograficamente da Rússia e favorável à adesão a este pais.

Os monumentos em homenagem a Lenin foram levantados durante a existência da União Soviética, que durou até 1991. Porém, no decorrer da história, em diversas ocasiões os homens erigiram estátuas às suas divindades, a outros homens e a si mesmos, desobedecendo o primeiro mandamento da lei divina, que estabelece o Senhor como o único Deus e proíbe a confecção de imagens.

No capítulo 19, do livro de Atos, temos o exemplo do povo de Éfeso que adorava a deusa Diana, e tinha um templo e uma imagem dedicada a ela. Quando a palavra de Deus chegou àquela cidade, houve grande confusão, pois os habitantes não queriam deixar o costume pagão de servir ao templo de Diana.

Alguns séculos antes, conforme o livro do profeta Daniel, o rei Nabucodonosor ergueu uma imagem de ouro e ordenou que todos os seus súditos se dobrassem diante dela em adoração. Quem não o fizesse seria lançado numa fornalha de fogo ardente. Porém, os judeus Sadraque, Mesaque e Abede-Nego se negaram a praticar a atitude idólatra. Ao tomar ciência da firme posição dos três, o rei ordenou que fossem lançados na fornalha, aquecida sete vezes mais do que o de costume. Tendo sido jogados na fornalha, os três receberam um grande livramento de Deus, de sorte que foram vistos andando dentro do fogo junto com um quarto homem que, na visão do rei, tinha a semelhança de um filho dos deuses.

Mesmo os reis, imperadores e divindades humanas não resistem ao tempo e passam. Foi assim com Nabucodonosor, Lenin e Diana. Ainda que estátuas sejam erguidas, elas caem como aconteceu com as de Lenin. Mas, a Palavra de Deus nos assegura que Jesus Cristo é o alfa e o ômega, o primeiro e o último, aquele que está vivo pelos séculos dos séculos.

Fontes da Informação: Sites Notícias Terra, Notícias BOL UOL, G1 Globo, e Veja Abril

AD Cidade - Todos os direitos reservados @ 2018 - Site desenvolvido por Leme Digital