70 anos do fim do Nazismo

Voltar

Aconteceu18-01

Os europeus celebraram o septuagésimo aniversário da vitória sobre o Nazismo alemão. No dia 08 de maio de 1945 a Alemanha Nazista assinou a rendição incondicional, formalizando o fim da Segunda Guerra Mundial na Europa.

O presidente francês, François Hollande, comemorou a rendição dos nazistas ao lado do secretário de Estado americano, John Kerry, depositando uma coroa de flores no Arco do Triunfo, em Paris, diante do túmulo do soldado desconhecido.

A Rússia organizou uma parada militar na Praça Vermelha em Moscou. Cerca de 16 mil soldados participaram do desfile, onde foram exibidos armas e tanques de guerra de última geração, o que foi considerado, por alguns países, uma demonstração de poder.

Na Alemanha foi realizada uma cerimônia no Parlamento Federal que contou com a presença da chanceler Angela Merkel.

O Nazismo foi o regime nacional-socialista que surgiu na Alemanha na década de 1920. Após a Primeira Guerra Mundial (1914-1918) os alemães, que saíram derrotados, desenvolveram um forte sentimento nacionalista, principalmente por considerarem humilhantes as imposições sofridas ao país pelas nações vencedoras por meio do tratado de Versalhes.

O Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães – Partido Nazista – teve como o principal líder político Adolf Hitler, que governou o país de 1933 até 30 de abril de 1945, quando se suicidou.

Quando o Partido Nazista chegou ao poder, seus líderes começaram a implementar a sua política nefasta com a prática de racismo, totalitarismo, eugenia e anti-semitismo.

Estribados nestas ideologias perversas e num sentimento de revanchismo contra os países vencedores da Primeira Guerra Mundial, os Nazistas expandiram o seu projeto de hegemonia mundial, invadindo países como a Polônia e a França, dando início à Segunda Guerra Mundial.

Estima-se que mais de 50 milhões de pessoas morreram em conseqüência desta guerra. Em meio a esta calamidade mundial, maiores atrocidades foram promovidas pelos Nazistas, que submeteram civis e prisioneiros de guerra a campos de concentração e a um tratamento desumano. Assim, exterminaram cerca de 6 milhões de judeus, no episódio que ficou conhecido como Holocausto.

Em 1945 a Alemanha e a sua coalizão de países foram derrotados pelo grupo de nações conhecido como “Aliados”, cujos líderes eram os Estados Unidos, o Império Britânico e a União Soviética. Em maio daquele ano, o ditador Adolf Hitler, ao ver a fragorosa derrota, se suicidou e o restante do seu alto comando se viu obrigado a assinar a rendição.

Atualmente o nazismo é proibido em diversos países. Mas, os horrores praticados na Segunda Guerra, principalmente o Holocausto perpetrado pelo Nazismo, deixaram marcas profundas na humanidade. Portanto, é importante sempre lembrar desse período sombrio como exemplo do que jamais deve ser feito novamente.

Deus também tem uma preocupação especial com a memória do homem. Os israelitas foram escravizados por séculos pelos egípcios, e quando foram libertos sob a liderança de Moisés, Deus estabeleceu uma celebração chamada de Páscoa para que povo sempre relembrasse do período de escravidão e da libertação milagrosa. Nesta celebração, eram utilizados o cordeiro, os pães asmos e as ervas amargas, sendo que estas últimas lembravam a amargura do cativeiro no Egito.

Portanto, é fundamental que nunca esqueçamos os fatos que não devem ser repetidos e as tragédias nos trazem importantes lições sobre isto. Mas, a Bíblia Sagrada não apenas mostra o caminho que devemos seguir, como também nos apresenta o Deus que nos salva quando erramos o caminho.

André Falcão

 

 

Fontes da notícia: Sites – globo, observador, portugueses.rfi.fr, veja, e zero hora.

AD Cidade - Todos os direitos reservados @ 2018 - Site desenvolvido por Leme Digital