Lama em Minas, em Paris e no mundo.

Voltar

Aconteceu 23-01

O Brasil ainda está consternado com o desastre ocorrido em Minas Gerais. No dia 05 de novembro duas barragens formadas por rejeitos da exploração de minérios se romperam liberando cerca de 62 milhões de metros cúbicos de lama.

A enxurrada destruiu o distrito de Bento Rodrigues e causou sérios danos em vários outros. Até o dia 15 de novembro, sete mortos haviam sido identificados e 18 pessoas estavam desaparecidas. A empresa mineradora responsável pelas barragens está recebendo multas milionárias, mas o prejuízo material e moral é incalculável.

Por trás do mar literalmente composto de lama que arrasou algumas cidades de Minas Gerais, há uma metafórica lama de ganância, negligência e irresponsabilidade por parte das empresas e de gestores públicos que gerem milhões em recursos e deveriam zelar pelo bem estar da população.

Esse segundo tipo de lama foi o mesmo que cobriu Paris no último dia 13. Porém, neste caso, a enxurrada veio saturada de ódio e violência, e respingou no mundo inteiro. Pelo menos 129 pessoas foram mortas em diversos ataques terroristas ocorridos simultaneamente na capital francesa. A autoria dos ataques foi reivindicada pelo grupo terrorista Estado Islâmico, que está assustando o mundo pelo radicalismo das suas ideias e crueldade das suas ações.

Devido a um complexo jogo de interesses escusos, as grandes potências democráticas não conseguem desbaratar as ações do Estado Islâmico que ainda possui o controle de vasta área no oriente médio, recursos financeiros, armas, e ferramentas de propaganda para arrebanhar novos membros e simpatizantes no mundo todo.

Por incrível que pareça, a lama do extremismo também tem jorrado no Brasil. Por aqui há um tipo de convicção política que defende e cria meios para impedir a vida de bebês por meio do aborto, expandir o consumo de drogas e a prostituição, erotizar crianças, e destruir a família. Este tipo de convicção é a mesma que embasou regimes ditatoriais, que no século XX mataram mais de 100 milhões de pessoas em vários países.

A verdade é que a humanidade está imersa num grande mar de lama chamado pecado. Desde a queda do homem no Éden o pecado o domina de sorte que, por mais que ele se esforce para fazer o bem, não consegue. Os estudiosos se exasperam buscando as origens dos nossos males, bem como as soluções. Contudo, a Bíblia há séculos nos fornece a resposta para estas questões. O pecado é a raiz de todos os males e Jesus Cristo é a única solução para tal.

Os mais sábios líderes políticos, os acordos de paz ou mesmo a mais avançada tecnologia não podem conter essa enxurrada de lama que arrasa o mundo. O salmista diz no Salmo 40 que o Senhor o tirou de um “charco de lodo e pôs os seus pés sobre uma rocha”. Eis ai a solução clara e sintética para a humanidade. O “charco de lodo” é o mar de pecado que estamos imersos. E a “rocha” da nossa salvação é Cristo Jesus.

André Falcão

AD Cidade - Todos os direitos reservados @ 2018 - Site desenvolvido por Leme Digital