Cada um no seu banheiro

Voltar

300516 - Aconteceu-01

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, enviou, no dia 13 de maio, uma carta às escolas de todo o país, recomendando que seus diretores permitam que os chamados alunos “transexuais” possam usar qualquer um dos banheiros.

A carta não tem força de lei, mas as escolas que se recusarem a seguir poderão ser alvo de ações judiciais ou perder ajuda financeira do governo.

A iniciativa do presidente americano, além de fazer parte da sua agenda ideológica, é uma reação à lei criada no estado da Carolina do Norte que estabelece exatamente o contrário. Segundo a referida lei, os alunos “transgêneros” são obrigados a usar o banheiro de acordo com o sexo registrado na certidão de nascimento.

Por causa dessa lei, o estado da Carolina do Norte recebeu críticas e boicote por parte de alguns artistas e de duas empresas. Por outro lado, a atitude do presidente Obama fez com que onze estados americanos entrassem na Justiça contra o seu governo.

Eles alegam que Obama abusou de seus poderes constitucionais ao tomar medidas que cabem ao Congresso Nacional ou ao legislativo de cada estado. Além disso, alegam que “a administração Obama conspira para transformar locais de trabalho e instituições educacionais de todo o país em laboratórios de um massivo experimento social, desprezando o processo democrático e atropelando políticas de bom senso de proteção às crianças e direitos básicos de privacidade”.

O que estamos vendo é uma tentativa de implementar arbitrariamente a ideologia de gênero, segundo a qual o ser humano deve ser reconhecido pelo gênero que se identifica e não pelo sexo de nascimento. Essa convicção é bastante temerária, não apenas por se tratar de uma teoria social recente e sem comprovações científicas, mas também por criar uma enorme insegurança. O critério para identificar o gênero seria tão somente a auto-declaração, algo sem a menor consistência.

É um absurdo permitir que um menino utilize o banheiro das meninas simplesmente porque ele declara se sentir uma menina. As crianças e adolescentes são muito inconsistentes em seus pensamentos. Quando a criança amadurecer, pode mudar de opinião e se arrepender profundamente, o que é comum acontecer em algum aspecto da vida. Outro problema ainda pior é a brecha para que um adolescente homem utilize dissimuladamente o ambiente restrito para adolescentes mulheres, o que pode facilitar contatos sexuais e até abusos.

Alguns defensores da ideologia de gênero chegam a comparar a questão dos transexuais com a situação do negro que, durante o período de segregação racial, era obrigado a usar banheiros diferentes dos brancos. Entretanto, essa comparação é totalmente descabida, pois o negro não é um tipo de “transraça”. O negro não apenas se identifica assim, mas já nasce como tal.

A alegação dos estados americanos contra o governo Obama está correta: o que está sendo feito é a transformação das escolas num laboratório de um perigoso experimento social.

Quando Deus criou a humanidade, ele fez homem e mulher. Por mais que tentem desacreditar este princípio, ele não pode ser alterado. Ainda que o homem faça mudanças estéticas no seu corpo, ele não pode inverter a sua natureza.

 A Igreja e toda a sociedade precisam estar bastante atentas às tentativas sorrateiras de impor ideologias danosas, que desconstroem a família, pervertem a natureza sexual e minam a autoridade dos pais. Tais aspectos são fundamentais para a existência da humanidade.

André Falcão

AD Cidade - Todos os direitos reservados @ 2018 - Site desenvolvido por Leme Digital